A FPLP expressa a sua solidariedade com a resistência curda em Kobanê

YPG

Como vimos vendo nas últimas semanas, a cidade curda de Kobanê sofre um ataque brutal por parte do Estado Islámico. Situada na fronteira sírio-turca, vê-se atrapada entre as forças reaccionárias dos jihadistas e o estado turco, cuja colaboração com os islamistas tem-se mostrado abertamente.

É dever de todas as forças revolucionárias do mundo amosar a sua solidariedade internacionalista com a população curda que ali vive e que defende metro por metro a sua terra. Também devemos ser cientes de que o império vê nesta situação a ocasião propícia para gerar um estado de opinião que legitime a sua intervenção aberta em território sírio. Por isso, e polo seu interesse para arrojar luz, reproduzimos o comunicado da Frente Popular de Libertação da Palestina a respeito da situação em Kobanê.

A FPLP chama a formar uma fronte revolucionária unificada de solidariedade com a luta do povo de Kobanê contra ISIS.

A Frente Popular de Libertação da Palestina expressa a sua solidariedade com a resistência curda em Kobanê, que luta por defender-se ela própria e a sua comunidade do grupo armado reaccionário, ISIS, cuja entrada na região tem sido facilitada e apoiada polos poderes imperialistas e os seus lacaios.

Em palavras do camarada Khaled Barakat, “Todas as forças revolucionárias palestinianas e árabes deveriam unificar os seus esforços para apoiar a luta da resistência curda em Kobanê contra ISIS e os seus suportes imperialistas”.

Os povos da Síria, o Iraque e de toda a região sofrem o ataque do imperialismo. Uma agressão que nem só chega em forma de ataques aéreos e ocupação, mas também atravês do apoio de poderes regionais reaccionários, da promoção do sectarismo e por meio de grupos reaccionários armados que levam a cabo um programa de caos sectário. Eles procuram substituir o conflito central da região, aquele que enfrenta os povos com o sionismo e o imperialismo, mediante a imposição de uma maciça violência reaccionária contra as minorias que são uma parte integral da região, mentres esses mesmos grupos nem tocam o estado sionista e as forças imperialistas. Estes ataques tiveram lugar simultaneamente ao último assalto genocida do sionismo contra o povo palestiniano em Gaza. “Nós estamos com o povo da Síria, que defende a sua unidade contra todas as tentativas de partição do país e de pilhagem dos seus recursos para benefício do imperialismo. Esta é a meta do ISIS e os seus aliados”, dixo Barakat.

“Hoje, as lutadoras curdas, mulheres e homens, lutam pola sua liberdade e as suas vidas contra estes grupos reaccionários cuja presença na região tem sido financiada, armada e apoiada polo imperialismo e os seus aliados e agentes na região. Não é um acidente e não é mero simbolismo que ISIS esteja atacando Kobanê hoje com armamento norteamericano”, dixo Barakat. “Em particular, o papel das mulheres lutadoras da resistência curda em todos os níveis da luta e do liderado representa um heroico exemplo de sacrifício”.

“Deve ser ressaltado também que o papel do estado e governo turcos, um dos maiores sócios comerciais de Israel e um aliado militar chave dos Estados Unidos, é o de alentar a entrada na Síria destes grupos armados reaccionários (ISIS e outros) que agora atacam Kobanê. Ao mesmo tempo, nos últimos dias, dúzias de manifestantes curdas foram assassinadas polas forças armadas do estado turco. A chamada “zona de segurança” em cuja criação insistem a França e a Turquia, e os ataques aéreos dos EUA e os seus aliados, não são mais que uma manobra para ocultar a entrada do imperialismo na região. A única segurança real pode ser estabelecida somente pola luta e a resistência popular, não por exércitos e forças aéreas imperialistas”, afirmou.

Por muitos anos, as lutadoras palestinianas que tentam conseguir a sua liberdade têm partilhado a mesma trincheira que as lutadoras curdas. “Há uma longa história de apoio por parte das revolucionárias palestinianas às lutadoras pola liberdade do Curdistão. Enfrentamos um mesmo inimigo: o imperialismo. E também partilhamos o inimigo comum dos grupos armados reaccionários e sectários, como ISIS, que são, no mais profundo, criação e resultado das ocupações e a hegemonia imperialista sobre a região. Os regimes reaccionários árabes, particularmente o da Arábia Saudita e o Catar, jogaram um papel principal em impulsar, armar e propagar esta ameaça contra os povos da região”, dixo Barakat.

“Nenhuma solução ou ajuda à região pode vir de mão de exércitos imperialistas ou ataques aéreos imperialistas. Estas forças só trazem terror, sectarismo, reacção e morte onde quer que eles vão. Só a luta dos nossos povos, unidos, pode confrontar e alcançar a vitória sobre o imperialismo e o sionismo, as fontes primárias do terror na região, e sobre as perversas forças reaccionárias que buscam suster a sua hegemonia e a pilhagem dos nossos recursos”, sentenciou o nosso camarada.

 

>> PFLP calls for unified revolutionary front of solidarity with the struggle of people of Kobane against ISIS

Partíllao!

Share on facebook
En Facebook
Share on twitter
En Twitter
Share on pinterest
En Pinterest
Share on whatsapp
Polo WhatsApp
Share on telegram
Ou polo Telegram
Share on email
Email

Deixa un comentario