Comunicado do Grupo de Trabalho frente a Agressões (GTA) de Isca!

Isca! lamenta ter de comunicar a expulsão dum militante da organização, Xan, a raiz duma denúncia por violação e agressões sexuais no passado ano 2020. Após recebermos a denúncia, constituímos o GTA para investigarmos o caso e apartar de jeito preventivo o dito militante dos espaços orgânicos e de participação política.

Os indícios obtidos no processo de investigação levam-nos a acreditar na veracidade das acusações. Aliás, o facto principal recolhido na denúncia —violação— foi ratificado pelo denunciado ao GTA. Além disso, recolhemos vários testemunhos de que este tem incorrido, ao longo do tempo e de jeito reiterado, noutras atitudes e comportamentos machistas: invasão do espaço privado, tentativas de se envolver com rapazas apesar da sua negativa, monopólio da palavra e do espaço, cousificação de mulheres etc.

Em consequência, resolvemos que Xan deve deixar de participar da vida política e que seja imediatamente expulso da nossa organização. Além do que diz respeito a Isca!, outras organizações e espaços em que Xan participe ou tenha participado serão informados do caso para agirem segundo considerarem.

Isca! comprometeu-se inicialmente a fazer-se responsável durante um período de tempo dum ano de fazer seguimento da evolução do agressor expulso, com o objetivo de ele corrigir as suas condutas machistas e evitar possíveis futuras agressões. Tal seguimento ficava subordinado ao compromisso de Xan de se responsabilizar, de jeito claro, honesto e consistente, do seu próprio processo de autocrítica e revisão. Porém, tendo Xan expressado a sua negativa a colaborar num processo assim, o GTA constata uma falta de responsabilidade pela sua parte que faz impossível qualquer tipo de seguimento.

Queremos desculpar-nos publicamente como organização com as moças agredidas pelo facto de não podermos oferecer mais justiça que esta. Queremos também agradecer à denunciante e valorizar que desse o passo de denunciar de jeito público as agressões sofridas. Compreendemos a dificuldade que supõe denunciar de jeito público as agressões machistas e assumimos como responsabilidade dispor as ferramentas orgânicas precisas para evitar que este tipo de acontecimentos tenham lugar e para erradicar as violências patriarcais dos nossos espaços de atividade.

Consideramos que as agressões machistas não devem ficar impunes, nem as suas consequências restringidas apenas aos círculos organizativos e de militância. Por isso, animamos aquelas pessoas que sofressem agressões machistas a denunciarem-nas perante os organismos que elas próprias decidam, seja o seu espaço de militância, seja o sistema judicial estatal de considerá-lo oportuno, embora este último não garanta reparação nem proteção para as mulheres na maioria dos casos. Animamos também a tecermos espaços de sororidade e redes de apoio mútuo, que resultam fundamentais para dar acompanhamento nos casos de agressão.

Como feministas, condenamos esta agressão, assim como qualquer outro tipo de agressão machista e violência patriarcal. Reafirmamos o nosso compromisso com a causa revolucionária da luita pela libertação das mulheres e assumimos a necessidade de trabalharmos pela abolição do patriarcado e de todo tipo de opressão e dominação por razão de género.

Partíllao!

Share on facebook
En Facebook
Share on twitter
En Twitter
Share on pinterest
En Pinterest
Share on whatsapp
Polo WhatsApp
Share on telegram
Ou polo Telegram
Share on email
Email

Deixa un comentario