Combater nº. 16

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Combater 2022

Máis información:

A crise sanitária da COVID-19 parece ir desaparecendo das nossas mentes, mas os seus efeitos económicos, sociais e políticos ainda hão de perdurar. Nomeadamente, mantém-se como um claro exemplo da incapacidade do capitalismo de colocar a vida no centro, mesmo nos momentos em que esta é mais vulnerável.


Um maio inusitadamente cálido em toda a Europa como foi o deste ano recorda-nos também outra vulnerabilidade e outra crise em curso, a qual pareceu ficar num segundo plano em favor da atualidade política: a crise climática e ecológica. Esta, longe de ser uma catástrofe natural, é produto dum sistema económico cuja única lei é uma voracidade sempre crescente.

A mocidade galega olhamos ao nosso redor e vemos somente a crise a amorear-se sobre a crise. À sanitária e à ecológica vemos somadas a precarização laboral, as dificulda des para acedermo à vivenda, a escalada dos preços de primeira necessidade, a fenda demográfica, o recrudescimento do imperialismo estadunidense e o ressurgimento do fascismo no nosso panorama político. Perguntamo-nos que mundo estamos a herdar e que classe de vida nos é permitido vivermos nele.


Nós, comunistas do século XXI, sabemos que o único remédio para a desolação que nos rodeia é organizarmo-nos politicamente pela construção coletiva dum outro presente. Reafirmamos o nosso compromisso com a via socialista de libertação nacional como único caminho ainda aberto para a mocidade galega; isto é, como o único projeto viável para a consecução duma sociedade livre e justa, para a construção duma outra maneira de vivermos que seja quem de pôr a vida no centro.


Reafirmamos, pois, a nossa dedicação à luita socialista, independentista, feminista e LGBT, assim como a toda outra luita contra a opressão e a discriminação. Reconhecemos a necessidade de conjugar todas estas causas num mesmo movimento nacional-popular, força efetiva que faça abalar os alicerces do velho mundo, o qual, por si só, nunca acaba de morrer.

Mais um ano, já na edição número 16, as moças combativas de Isca! editamos em físico o nosso vozeiro nacional: o Combater.

Podes baixá-lo ou lê-lo em versão de navegador aqui.

Viva Galiza ceive!

O futuro é das que luitam!